Encontros Regionais

Aconteceram ao longo das últimas duas semanas os encontros dos pólos Mangueira, Taquari, Zona Costeira e Zona Rural, onde foram discutidas propostas para o Plano Municipal de Educação. Os resultados dessas discussões foram documentos que auxiliarão no processo de construção do Plano.  Todos esses documentos serão disponibilizados neste blog, sendo que já estão disponíveis os textos produzidos no pólo Mangueira e sugestões dos professores da Escola Pequeina Calixto, além de outros documentos, produzidos anteriormente.

Participem deste processo, deixando seu comentário no blog até o dia 30 de setembro. Suas sugestões e criticas serão levadas às discussões finais, sendo  importantes para a formação de um Plano representativo e democrático.

Anúncios

2 comentários (+add yours?)

  1. MARCELO ASSIS
    Set 27, 2010 @ 13:45:30

    Foi um sucesso a reunião realizada no dia 23/09 quinta-feira na sede do SIMPAR, entre os oraganizadores do PME, SIMPAR, vereadores e diversos setores da educação municipal ali representados . Por três horas foram apresentados diverso dados e documentos pertinentes a construção do PME. Infelizmente nossa Secretária de Educação Srª Elizete Malvão não compareceu e também não enviou representante oficial, o que achamos uma falta de respeito enorme com quem está cosntruindo o PME e demais autoridades como os vereadores. Depois de lermos em conjunto a proposta de construção PME proposto pela Univesidade de Brasília ficou claro para todos que a principal ponto para eleboração do PME era a falta de clareza nos números em nossa cidade. Quanto se arrecada, quanto se gasta, quanto professores existem hoje na rede, quantos cargos comissionados, quanto se gasta com merenda, por aluno, enfim diversas perguntas que até hoje não foram devidamente esclarecidades e publicadas pela Secretaria Municipal de Educação. O Sr. Pedro do Instituto Colibri que falou que é estatístico foi perguntado pelo profº Lúcio se com a falta de informações não ficaria comprometido todo o planejamento do PMP “Como se planejar um PME sem os devidos números relativos a educação municipal” ?Perguntou o profº Lúcio? Que cursa a faculdade de Gestão Pública . Sr. Pedro respondeu que deverá ser feito assim mesmo e que é importante aproveitar o momento deixando a todos com receio pois somente o momento não justifica esta pressa e a falta de analise profunda dos dados que compõe a elaboração de um PME sério e consistente . A presença do vereador Deco Minair presidente da Comissão de Educação na Câmara de vereadores nos trouxe uma certeza que lá o tempo de discussão vai ser maior e que os números da educação terão que ser apresentados. O Verador Vidal esteve presente e lembrou que também já solicitou diversos documentos a SME e que as informçãoes vem confusas o que prejudica o entendimento. Enfim o material que apresentamos esta postado neste blog esperamos que seja postado na íntegra. O SIMPAR cumpre assim o seu papel de reunir os interessados e propor alternativas para a melhoria da educação municipal. Existe uma pressa inexplicável para construir o PME que será um documento para dez anos será que este plano realmente vai retratar nossa realidade local e será que sem os números da educação conseguiremos realmente projetar o futuro da educação municipal? Será que as pessoas que hoje estão a frente da SME sabem realmente seu papel na construção do nosso PME? Enfim estas são nossas preocupações enquanto servidores da área da educação e cidadãos paratieneses. Vamos aguardar a entrega do documento final do PME e se não conseguirmos incluir nossas propostas a faremos na câmara através de emenda parlamentar. Um abraço a todos Comissão de Educação do SIMPAR . Profº Marcelo Assis, Marco Antonio, Girça Vale, Elenildes Reis, Lúcio Ricardo. Paraty 27/09/2010.

    Responder

  2. MARCELO ASSIS
    Set 27, 2010 @ 14:01:57

    LEI FEDERALQUE DEFINE O PISO NACIONAL SALARIAL DO MAGISTÉRIO COM A PREVISÃO DA ADEQUAÇÃO DOS PLANO DE CARREIRAS ATÉ 31/12/2009. HOUVE REAJUSTE NO PISO DE 7,86% PASSANDO DE R$ 950,00 PARA R$ 1.024,67.

    Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Paraty
    Fundado em 15.08.92 CNPJ n° 39.162.524/0001-14

    Piso nacional do professor: Municípios têm recursos para garantir o aumento salarial, diz ministro
    Publicada em 04 de janeiro de 2010.
    O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse nesta quarta-feira, 30, ter convicção de que estados e municípios têm condições de pagar o piso salarial dos professores, no valor de R$ 1.024,67, conforme interpretação da Advocacia-Geral da União (AGU). O reajuste do piso passa a vigorar em 1º de janeiro de 2010 e corresponde a uma jornada semanal de 40 horas.
    Haddad apresenta três razões que justificam a capacidade de governadores e prefeitos de honrar o reajuste de 7,86% no piso dos professores. A primeira, o aporte adicional de R$ 1 bilhão, a serem transferidos pelo governo federal no próximo ano aos cofres de estados e municípios, com o aumento de 36% nos repasses para merenda e transporte escolares. Governadores e prefeitos haviam solicitado R$ 400 milhões adicionais ao presidente da República.
    A segunda razão é o aumento das transferências da União ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Os recursos sobem de R$ 5,07 bilhões em 2009 para R$ 7 bilhões em 2010. Ao juntar a transferência de R$ 1 bilhão da merenda e do transporte com os R$ 2 bilhões de complementação do Fundeb, o ministro diz considerar que o reajuste de 7,86% no piso nacional dos professores é “suportável” para estados e municípios.
    A terceira questão relacionada por Haddad refere-se às projeções do Produto Interno Bruto (PIB) para 2010. Todas indicam crescimento de 5% na arrecadação.
    O parecer da AGU sobre o índice de reajuste do piso salarial dos professores, em resposta a consulta feita pelo Ministério da Educação, tomou por base a diferença entre o valor efetivo do Fundeb por aluno ao ano praticado em 2008 (R$ 1.132,34) e o de 2009 (R$ 1.221,34). A diferença apurada é de 7,86%. Com isso, o piso da jornada de 40 horas passa dos R$ 950 atuais para R$ 1.024,67 em janeiro de 2010.
    Editorial SIMPAR

    Conforme texto acima houve um reajuste do piso nacional em 7.86% passando para R$ 1.024,67. Foi considerado para isso o reajuste anual aplicado no valor aluno do FUNDEB crescimento do PIB e aumento nos valores do transporte e merenda dos alunos. E aqui em nossa cidade não existe nenhuma política salarial para o magistério municipal os valores são aleatórios sem parâmetro e sem um índice que possamos nos pautar. Isso é proposital pois a não criação de um fator de reajuste oficial e legal desobriga a PMP a nos reajustar anualmente em data e índices previamente definidos. Mas o Prefeito Municipal definiu o seu subsídio em R$ 9.000,00 com reajuste anual pelo INPC desde 2009. Podemos constatar assim que os servidores não tem o devido respeito a sua política salarial pois os reajustes são aplicados sem um parâmetro legal e sem data definida.

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: